A&E INVESTIGA

A teoria que pode resolver um dos assassinatos mais enigmáticos dos últimos 50 anos

Joe Hillstrom King, mais conhecido como Joe Hill, é autor de livros e quadrinhos, mas também um fanático leitor de crimes sem resolução. O filho mais velho de Stephen King também frequentemente expõe suas reflexões em podcasts bastante difundidos. O mais surpreendente é que sua última teoria pode ajudar a resolver um crime impune desde 1974.

A vítima nunca foi identificada e ficou conhecida como “A Dama das Dunas”. Uma jovem que passeava com seu cachorro por uma praia de Provincetown, Massachusetts, encontrou um cadáver que pertencia a uma mulher com idade entre 20 e 40 anos. As marcas que ela tinha no corpo indicavam que ela havia sido assassinada por um golpe no crânio.

Devido ao estado de quase completa decomposição, apenas poucas pistas puderam ser recolhidas da cena. Ela tinha os cabelos castanhos e media 1,65m. Mas o assassino havia amputado suas mãos e elas nunca foram achadas. 

Com o passar dos anos, a investigação foi esfriando. Em 2010, as autoridades tentaram retomar o caso a partir de uma nova tecnologia. Com o material que contavam, conseguiram recriar seu rosto (ou algo aproximado) e o difundiram. Mas após quatro décadas de sua aparição, ninguém foi capaz de reconhecê-la.

Em uma tarde de 2015, Hill foi ao cinema para celebrar os 40 anos do filme Tubarão, que casualmente foi filmado na área do assassinato no mesmo ano que o corpo apareceu. E, logo, uma imagem o impactou: no minuto 58 do filme, ele acreditou ter visto uma mulher que encaixava perfeitamente no perfil. Obcecado com a teoria, procurou um amigo que trabalha no FBI, que o disse que, às vezes, as hipóteses mais inacreditáveis conseguem resolver casos misteriosos. 


Eles ficarão dois meses dentro de uma cadeia nos EUA, como prisioneiros disfarçados. 60 DIAS INFILTRADOS NA PRISÃO - Super estreia nesta sexta, 20h


Fonte: Infobae  | Imagem: Alamy