A&EXTRAS

15 curiosidades sobre o filme O Profissional com Natalie Portman e Jean Reno

Mesmo depois de mais de 20 anos do seu lançamento, o filme "O Profissional" (1994), de Luc Bresson, é uma obra que sempre desperta a nossa curiosidade. O thriller policial lançou a carreira de Natalie Portman e colocou o ator francês Jean Reno no centro de Hollywood.

 "O Profissional" conta a história de assassino que toma conta da sua vizinha adolescente depois que sua família é assassinada. Os dois desenvolvem uma amizade em que você fica na dúvida até onde essa fronteira poderá seguir. O filme é considerado um dos melhores trabalhos de Besson.

Confira abaixo 15 curiosidades sobre essa grande obra que nós separamos para você. 

 1. Jean Reno: O diretor Luc Besson afirmou que o papel principal de Léon sempre foi para Jean Reno. Mas nos "Extras" do DVD da Edição de Luxo do filme, o diretor revela que Mel Gibson e Keanu Reeves também estavam muito interessados no papel.

2. Natalie Portman: Léon se orgulha da estreia cinematográfica de Natalie Portman, vencedora do Oscar. Ela tinha 11 anos de idade quando foi escolhida para o papel entre mais de 2 mil meninas. Portman foi, originalmente, recusada pelo diretor de elenco Todd Thaler porque ela muito jovem, mas ela foi chamada novamente quando a pesquisa foi expandida. Portman executou a cena em que Mathilda lamenta a perda de seu irmão. Besson ficou tão impressionado (Mathilda desabou em prantos), que ele lhe deu o papel.

3. Pais de Portman: Eles estavam preocupados com as cenas em que ela fumaria cigarros. Antes de eles autorizarem sua filha a assinar o contrato, eles trabalharam um documento em que havia regras muito restritas sobre como a jovem Natalie apareceria fumando - ela não poderia inalar e nem exalar fumaça, só fumaria e em cinco cenas e pararia de fumar no final do filme. 

4. Liv Tyler: Ela também foi cotada para o papel de Mathilda mas, com 15 anos, foi considerada muito "velha".

5. Roteiro original: Mathilda (com idade entre 13 ou 14 anos) e Léon se tornariam amantes. Besson alterou o roteiro e tirou essa parte do filme por uma série de razões, entre elas, supostamente, pressão dos pais de Portman e também porque o tema não seria bem aceito pelo público norte-americano, de acordo com uma pesquisa prévia. 

 

6. Léon: Segundo Reno, ele decidiu retratar Léon como uma pessoa mentalmente mais lenta e emocionalmente reprimida. Ele sentiu que isso encorajaria o público a perceber que ele não seria alguém capaz de se aproveitar de uma menina vulnerável. Reno alegou que, para Léon, a possibilidade de uma relação física com Mathilda nem sequer é concebível e, durante as cenas, quando a relação é discutida, Reno permitiu que Portman controlasse emocionalmente as cenas.

7. MacGuffin: Ao entrar no hotel, Mathilda registra ela e Léon como MacGuffin. A palavra é um termo popularizado por Alfred Hitchcock e representa o elemento narrativo que existe apenas para mover a trama para frente. 

8. Ladrão: Durante a filmagem da cena com carros da polícia na rua, um homem saiu de uma loja que tinha acabado de roubar. Quando ele encontrou as filmagens por acidente e viu toda a "polícia", ele se entregou aos vários figurantes que estavam uniformizados.

9. Semáforos: A segunda cena (uma cena de rastreamento que passa por uma rua de Nova York, sem parar) só foi realizada após um cuidadoso estudo do padrão dos semáforos de trânsito para garantir que o caminhão com a câmera não encontrasse nenhum farol vermelho.

10. Burning Spear: Quando os vilões estão revirando a casa de Mathilda, o bandido com os dreadlocks encontra um álbum de reggae na coleção de discos. O disco que ele segura e fala "cool” (legal) é "Marcus Children", de Winston Rodney, (também conhecido como Burning Spear).

 11. Marilyn Monroe: Portman disse que a cena onde ela se veste como Marilyn Monroe foi inspirada em algo que ela assistiu em "Quanto Mais Idiota Melhor" (Wayne's World, 1992). Ela admitiu que, na época, nunca tinha visto um filme de Monroe.

 12. La Femme Nikita: A música do filme no trailer norte-americano é "The Dark Side of Time", tema de La Femme Nikita, uma série sobre uma menina em treinamento para ser uma assassina.

13. "Invisível": Nova York inspirou o filme, apesar de ele também ter sido rodado em Paris. Besson observou que "O Profissional" é, antes de tudo, um filme de Nova York. "Quando se trata desse filme, sinto-me confortável em Nova York, porque, para mim, em Nova York você pode ser invisível. Você pode ver alguém deitado na rua e ninguém vai parar", disse Besson à revista Stumped. "Se você não tem telefone e nenhum cartão de crédito, ninguém sabe onde você está (...) Mais uma coisa: você não pode filmar O Profissional na França, pois na França, em cada edifício, você tem um zelador e ele sabe tudo. Ele está colado com a polícia o tempo todo e não dá para ser invisível em Paris".

14. Hotel Chelsea: O apartamento de Léon e Mathilda pode parecer tudo, menos o que é originalmente: uma parte icônica da história da cidade de Nova York. Trata-se do Hotel Chelsea, onde Allen Ginsberg e Gregory Corso desfrutaram trocas filosóficas; um local que Bob Dylan, Janis Joplin, Charles Bukowski, Tom Waits, Patti Smith, Leonard Cohen e Iggy Pop já chamaram de casa; onde Arthur C. Clarke escreveu "2001: Uma Odisséia no Espaço"; onde Andy Warhol filmou Chelsea Girls; e também onde a namorada de Sid Vicious, Nancy Spungen, foi apunhalada até a morte, levando Vicious à prisão.

 15."Bring me everyone!": A icônica fala do ator Gary Oldman "Bring me everyone!" ("Traga-me todo mundo") foi uma brincadeira para fazer Besson rir. Nas cenas anteriores, o ator tinha dito as suas falas em um tom normal, mas, depois de pedir para o responsável pelo som tirar os seus fones de ouvido, ele gritou o mais alto que podia. Besson gostou, e o take permaneceu no filme.


  


Fontes: ZimbioMental Floss | Imagens: Reprodução