A&EXTRAS

Cachorrinha ajuda libertar homem que ficaria 50 anos na prisão

Ninguém poderia ter imaginado que encontrar uma cachorrinha mudaria a vida de um homem nos Estados Unidos. De um momento ao outro, ele passou de estar em uma prisão com uma condenação de 50 anos a sair em liberdade.

Joshua Horner, um encanador de 42 anos do povoado de Redmond, Oregon, foi acusado de agressão sexual por sua filha. Como parte do depoimento, a menor havia declarado que seu pai “matou sua cadelinha na frente dela com a finalidade de intimidá-la para que não contasse nada a ninguém”. 

Em abril de 2017, um juiz do Oregon determinou a culpa do acusado sem alcançar unanimidade, mas baseando-se no depoimento da suposta vítima e sem provas de DNA nem testemunhas presenciais. Assim, o fato foi totalmente questionado. Horner insistiu novamente que era tudo mentira e que a cachorrinha continua viva, mas não foi encontrada na casa, e isso foi a base de sua condenação. 

Seis meses depois de ter ido para a prisão, o homem decidiu pedir ajuda à “Oregon Innocence Project” (uma organização sem fins lucrativos, cuja missão é revogar condenações errôneas). A entidade começou a prestar ajuda a ele, e iniciou sua busca por Lucy, a cachorrinha em questão, para provar sua inocência. 

Depois de um ano de busca, Lucy foi encontrada a 300 quilômetros da casa do encanador, em uma residência de família, com outros donos. A identificação da cadelinha foi essencial para que o juiz Stephen Forte revogasse a condenação de abuso sexual. A própria promotoria retirou a acusação contra o homem, após ficar claro que a vítima havia mentido sob juramento. 

Horner é a primeira pessoa a ser exonerada em Oregon desde o início do projeto da OIP, há quatro anos. Nesse caso, as dúvidas surgiram no meio do julgamento, mas nem o advogado de defesa nem a promotoria investigou como deveria. O maior mistério era a cadelinha Lucy, que finalmente conseguiu salvar a vida de seu dono, que iria passar o resto de sua vida preso injustamente. 


Nova temporada de LONGMIRE: Toda segunda a partir das 19h55. Não perca!


Fonte: Clarín