A&EXTRAS

Você estudaria com um presidiário?

Na Argentina, como em muitos outros países da América Latina, presidiários, guardas penitenciários e gente de fora (que não está privada de sua liberdade) são companheiros de estudo nas dependências das universidades nacionais.

 

A rotina pode parecer tão estranha como acalentadora: diariamente, um agente do serviço penitenciário se encarrega de levar para a aula os estudantes detentos na Unidade 47. O curioso é que ele também se senta em uma cadeira junto aos presidiários para cursar Sociologia.

 

Porém, além dos detentos e dos agentes, no mesmo recinto estudantil convivem empregados administrativos do serviço penitenciário e gente que nunca esteve privada de sua liberdade, mas que, por diferentes motivos, escolhe esse local para cursar a universidade.

 

Trata-se de um experimento social que rendeu frutos e, mais do que isso, determinou a ampliação de campi universitários para essa modalidade de ensino.

 

Você acredita que o estudo pode ser a melhor maneira de reinserir socialmente um criminoso? Você se animaria a realizar um curso universitário junto a presos e agentes penitenciários?


FUENTE. Página 12

IMAGEN: Shutterstock