A&EXTRAS

Holanda usa podcasts para solucionar um dos crimes mais enigmáticos do país

Em 1991, trabalhadores próximos a uma rodovia movimentada na cidade de Naarden, na Holanda, encontraram, embrulhado em um cobertor elétrico, o corpo de um homem. 

Eles foram atraídos pelo mau cheiro – um indicativo de que o corpo estava ali há dias. 

De fato, o estado de decomposição era tão avançado que foi impossível determinar a identidade do homem.  

Na época, os investigadores jamais imaginariam que o caso seria enquadrado entre os maiores mistérios do país: quem era esse homem? Por que foi morto? Quem o matou?

Sem qualquer testemunha, os investigadores reviraram o local onde o corpo foi encontrado tentando localizar até as menores evidências, mas não avistaram documentos ou impressões digitais que batessem com os registros do país.

A única pista que tinham em mãos era um anel de ouro encontrado em um dos dedos do cadáver. 

Tempos depois, os investigadores descobriram que a peça foi comprada por correspondência e conseguiu rastrear os compradores. 

Todos os compradores ainda mantinham o anel, exceto um homem. Ele revelou que havia vendido a peça a um homem, aparentemente um turco, em um bar em Amsterdã. 

A polícia ouviu frequentadores do bar, que confirmaram a venda e afirmaram que o comprador era um cliente assíduo – mas que não era visto há dias. 

No entanto, a polícia não conseguiu concluir se o corpo encontrado pertencia realmente a um homem turco. Na época, a tecnologia de análise de DNA era muito incipiente. 

Como alternativa, a polícia holandesa dissecou o corpo em detalhes, fotografou e registrou todas as etapas.  

A investigação durou anos, até que foi  encerrada. 

PODCASTS

Mas, ao que parece, o crime está cada dia mais próximo de ser solucionado – graças a uma ideia inovadora da polícia holandesa. 

Eles criaram uma série de três episódios a respeito do caso e disponibilizaram nas plataformas digitais. 

A ideia foi um sucesso. Milhares de holandeses ouviram os áudios e a polícia começou a receber pistas importantes que podem finalmente levar à solução do caso, quase 30 anos depois. 

Análises revelaram que se tratava de um homem oriundo do leste europeu e teria cerca de 65 anos na época do assassinato. Também foi possível reconstruir o rosto da vítima. 

Eles descobriram que o homem teria cerca de 65 anos em 1991 e era originário do Leste Europeu.

Todos os dias a polícia tem recebido dicas úteis que vão ajudar a elucidar o caso – mas, por enquanto, nenhuma dessas informações pode ser divulgada ainda. 


Fonte: BBC | Imagens: Divulgação